100 Dias de Arte: dia 29 – Octávio Cariello

Octávio Cariello é um grande ilustrador brasileiro. Temos a sorte de tê-lo aqui algumas vezes por ano ministrando cursos de Anatomia, Perspectiva e Narrativa Visual.

Trabalha com design, ilustração e quadrinhos, tem dois romances, algumas poesias e uns pares de contos publicados. Foi fundador da Fábrica de Quadrinhos (Estúdio e Escola) e da Quanta Academia de Artes.

Ilustrou matérias para jornais como O Rei da Notícia, Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo, D.O. Leitura, o Globo e Debate, e revistas como Veja, Exame, Super Interessante, Marie Claire, Dragon Magazine, Show Bizz, Sandman e Jovem Pan, no Brasil. Teve vários Quadrinhos publicados nos EUA e por aqui também. Ficou conhecido, em território nacional, por desenhar HQs do Amigo da Onça, dos Mamonas Assassinas, do Homem-Cueca, dos Casseta e Planeta e Sport Gang, e escrever roteiros para HQs do Quebra-Queixo.

Alguns de seus personagens que já ganharam páginas de jornais e revistas em território nacional: “Delete” (da série Eon, da qual faz parte a saga de Portais), na revista Metal Pesado, “Derenian” (também da mesma saga), na Porrada! Special, e “Mofo” (desenhada por Gabriel Bá), no álbum Fábrica de Quadrinhos 2001.

Com Eduardo Schaal, criou o logo da série de TV “As aventuras de Tiazinha” e participou da equipe de design que cuidou dos efeitos especiais. Com Alain Voss, criou o logo da série Sport Gang. Fui o criador do logo do Mundo Canibal. Para editoras americanas, pintou páginas da série “The Queen of the Damned” (da obra de Anne Rice, para a Innovation), e desenhou Wolverine (Marvel), Bloodchilde (Millenium), Lovecraft (Malibu), Black Lightning (DC), Trancers (Malibu) e Deathstroke (DC). Pintou as páginas da adaptação de Rei Lear (Nemo).

Conheça o mestre Cariello nos cursos de agosto e mude sua arte:

Antes de finalizar, um conselho do Cariello já publicado há um tempo atrás, mas que sempre é válido:

“Acabem com os seus desenhos e entendam o processo inteiro  

A principal coisa que vocês não podem ter é medo. Não negociem com a insegurança. Não tenham medo de estragar o desenho. Estraguem!

Só neste momento vocês vão entender a liberdade e o poder de transformação que têm. Entendam com cada erro, e não confiem em qualquer artista que diz que tem total controle sobre o que faz. Desenhem e divirtam-se!”

 

...Shares
Esta entrada foi publicada em Noticias e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta