40 anos de 2000 A.D.

O ano de 1977 ficou marcado na história da Inglaterra por fatos como o surgimento do Punk, que chegou na casa do cidadão médio inglês quando os Sex Pistols xingaram um apresentador ao vivo na tv, protestos contra a militarização do país e propostas de extrema direita do governo Thatcher como criação de campos de concentração para homossexuais e portadores do virus da Aids.

Os quadrinhos refletiam o momento político com histórias e ideias de extrema violência exemplificadas pela revista Action, (todas as revistas “para meninos” tinham nomes como Action e Fury). A revista Action de Pat Mills e John Wagner foi proibida quando a capa mostrou um adolescente prestes a agredir um policial caído no meio de escombros. Para prevenir futura censura eles decidiram partir para a ficção científica.

2000 A.D. começou como uma mesa no canto de uma sala onde se publicavam várias revistas da época. E seus autores, Pat Mills, John Wagner, Brian Bolland, Carlos Ezquerra, Dave Gibbons e Kevin O’Neill eram odiados pelos seus pares. As revistas que os trouxeram até ali eram violentas e não consideradas artísticas o suficiente.

O problema é que 2000 A.D., que levou a violência a situações realistas disfarçadas de ficção científica, vendeu aproximadamente 200.000 exemplares na primeira semana (A revista é semanal como todas as revistas inglesas).

Para exemplificar vou falar de dois personagens que exemplificam o que era a 2000 A.D. no principio: Juiz Dredd e Nemesis The Warlock.

Juiz Dredd, que já foi utilizado em dois filmes, um deles muito bom, é a história de um “herói” fascista que representa a lei e a coloca em prática numa Nova Iorque do futuro chamada Mega City UM. Para quem lê quadrinhos de autor ou de super herói fica chocado com a violência e com as ideias mostradas pelo personagem que foi inspirado no governo inglês dos anos 70.

Nemesis The Warlock é a história de um alienígena que luta contra os terráqueos, que são governados por Torquemada com direito a roupas de inquisidor espanhol. Apesar de claramente colocar o alien como herói contra os seres humanos, que querem exterminar todas as raças alienígenas que consideram inferiores, na conclusão da história o “herói” destrói grande parte da raça humana para se livrar de Torquemada.

A revista enfrentou grandes problemas de censura mas o que finalizou a primeira e melhor fase da publicação foi o fato da editora americana DC Comcs contratar seus melhores escritores e desenhistas.

Alan Moore que escrevia o único título estrelando uma heroína publicado na 2000 A.D. foi junto com Brian Bolland e Dave Gibbons um dos primeiros contratados. Logo escritores e desenhistas usavam a revista como portfólio para trabalhar nos E.U.A.

Isso fez com que a qualidade da revista abaixasse enormemente e no final dos anos 80 e por todos os anos 90 ela flertou com o cancelamento a cada semana.

A 2000 A.D. é publicada hoje com grandes artistas como Jock e Andy Diggle. sempre buscando um espírito anarquista e punk.

Referência: Future Shock! The History of 2000 A.D (documentário).

...Shares
Esta entrada foi publicada em Noticias e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta